FEIPOL-SUL

FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DOS TRABALHADORES POLICIAIS CIVIS DA REGIÃO SUL

O Sinpol RS, em conjunto com a Ugeirm, Asdep e ACP, reuniram-se nesta quinta-feira (05) para reavaliar o conteúdo do PLC 36/2018. O encontro ocorreu na sede da Asdep, após importante vitória da categoria, que unida conquistou a retirada da tramitação da proposta  do regime de urgência na Assembleia Legislativa. O PLC visa modificar a Lei 14.661/2014, que garante o direito de promoção à última classe da carreira aos policiais que forem mortos em serviço ou aposentados por invalidez permanente e não foi democraticamente discutido pela categoria policial.

Participou da reunião o delegado Marcelo Hartz, da Chefia de Polícia.Ele informou que o projeto foi confeccionado pela assessoria jurídica da Chefia de Polícia com a PGE (Procuradoria-Geral do Estado). As representações das entidades apontaram vários pontos que não contemplam os interesses dos Policiais Civis do Estado ao representante da Chefia. 

Foi unânime a opinião de que o projeto foi apresentado de forma açodada e antidemocrática, assim como o descontentamento quanto à forma como a Chefia de Polícia está conduzindo assuntos relevantes e de impacto na vida dos Policiais, de suas famílias e da sociedade. 

O Sinpol criticou o que considera um desrespeito: a apresentação de um projeto que visa alterar as garantias e direitos da categoria policial de forma unilateral como o PLC 36 e outros projetos gestados da mesma forma.Defendemos que todo o projeto de interesse dos Policiais Civis devem, obrigatoriamente, ser amplamente discutidos de forma democrática e com a maior sinceridade quanto aos objetivos a serem atingidos, afirmou o presidente do Sinpol RS, Emerson Ayres. 

Uma nova reunião ocorrerá na sede do Sinpol para debater o tema.