FEIPOL-SUL

FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DOS TRABALHADORES POLICIAIS CIVIS DA REGIÃO SUL

Os primeiros frutos das privatizações do governo Sartori/MDB começam a aparecer. Os 800 estagiários que prestam serviços à Polícia Civil foram liberados das suas atividades nesta sexta-feira (11). O motivo foi o atraso do pagamento das suas bolsas-auxílio. O Palácio Piratini alega que a responsabilidade pelo atraso nos pagamentos é da RENAPSI, empresa que assumiu as funções da Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH), que está em processo de extinção pelo governo do Estado. Por outro lado, os estagiários que procuram a Renapsi em Porto Alegre recebem a informação de que os pagamentos não foram feitos porque o governo do Estado ainda não repassou os valores.

No meio desse jogo de empurra pela responsabilidade do pagamento dos estagiários, a Polícia Civil fica sem os serviços prestados por 800 estagiários. Neste mês os(as) Agentes já sofreram com o atraso no pagamento das horas extras, de acordo com o governo, por causa do déficit de pessoal no DAP. O que se espera, é que esse episódio não afete, novamente, o pagamento das HE.

Porém, o mais espantoso é a declaração do Secretário Estadual de Modernização Administrativa e Recursos Humanos, Rafaelle Di Camelli: “todo processo de transição tem um percalço. Mas, de qualquer maneira, o Estado está fazendo uma grande economia. O Estado saiu ganhando, vamos economizar com isso (terceirização)”. A Polícia Civil fica sem 800 estagiários e o Estado saiu ganhando. Essa declaração exemplifica os três anos da administração Sartori/MDB. A preocupação é com a economia que o estado vai fazer. Quanto aos serviços públicos prestados à população? Bom, isso é apenas um detalhe que não entra na planilha de custos dos seus burocratas.