FEIPOL-SUL

FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DOS TRABALHADORES POLICIAIS CIVIS DA REGIÃO SUL

Na luta em defesa dos interesses da categoria, o presidente do Sinclapol, Fabio Rossi Barddal Drummond e diretores do Sindicato tiveram encontro na última quarta-feira (23) com o Secretário Chefe da Casa Civil do Paraná, Dilceu Sperafico. Na oportunidade foi entregue ao Secretário uma minuta com sugestõesde alterações para que sejam suprimidos os impactos financeiros do novo Estatuto da Polícia Civil do Paraná. Também foi citada a questão da data base, tema que vem sendo estudado pela governadora Cida Borghetti sobre a concessão de um percentual. A questão da aprovação do estatuto foi abordada novamente, um dos assuntos principais da reunião. Outra proposta, muito importante para a classe, foi a adequação do final da carreira dos policiais civis. Com relação aos subníveis, assunto que também foi suscitado na reunião com o Secretário da Casa Civil.

“Atualmente o topo da carreira para nossos policiais é inatingível, a polícia civil hoje tem características diversas da polícia civil de 30 anos atrás, a faixa etária dos policiais que ingressam na carreira mudou. Antes os candidatos aos cargos da policial civil contavam com idade entre 21 e 24 anos, atualmente esta faixa etária, em média é superior a 30 anos, nossos policiais civis não alcançarão o topo da sua carreira quando estes iniciam na atividade policial com idade superior aos 30 anos e, sendo obrigado a contribuir com 35anos de atividade no serviço publico, é uma situação temerária e injusta tanto para os policiais civis quanto para o cidadão, que exige um serviço de excelência destes profissionais.

No caso das mulheres policiais a situação é ainda mais grave, pois como as mulheres se aposentam cinco anos antes que os homens sua perda remuneratória é ainda maior. Quando o governo impõe aos policiais civis o mesmo regime de previdência de um trabalhador comum, está condenando este profissional a jamais se aposentar, motivo suficiente para que nos debrucemos sobre o assunto com máxima atenção,” explica Barddal.

O presidente do Sinclapol lembra ainda as condições precárias de trabalhos exercidos pelos policiais, trazendo insalubridade com atividades noturnas e nas mais diversas condições meteorológicas, gerando desgaste físico e psicológico intenso. Na minuta apresentada ao Secretário Sperafico a proposta é conseguir alcançar o final de carreira, com 20 anos de trabalho, no máximo.

A proposta foi bem recebida pelo novo Secretário, tanto na primeira apresentação, em seu gabinete, em Toledo, quanto na reunião da última quarta-feira, quando foi apresentado o projeto.

Interessado nas demandas apresentadas pelos representantes do Sinclapol, o Secretário, Dilceu Sperafico se comprometeu em marcar um encontro com as presenças da Governadora Cida Borghetti e do Secretário de Segurança, Júlio Cezar Reis e num segundo momento, Sperafico se colocou a disposição e já enumerou as Secretarias de Segurança, Administração e Previdência e Secretaria da Fazenda que devem compor esta comissão para marcar uma reunião e analisar todas estas demandas, como a questão da aprovação do novo estatuto, “fundamental para melhoria das condições de trabalho de todos os policiais civis,” reafirma Fabio Barddal.