FEIPOL-SUL

FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DOS TRABALHADORES POLICIAIS CIVIS DA REGIÃO SUL

Na noite do domingo (12), o SINCLAPOL foi até a Central de Flagrantes - 1º DP, na região central de Curitiba, a qual vêm acompanhando desde a instituição, para averiguar e fiscalizar as condições de trabalho dos policiais civis daquela unidade.

Esta delegacia tem capacidade de absorver apenas 4 detentos em estado transitório,mas conta com um total de 60 presos até o presente momento, e aumentando a superlotação a cada dia.

Nas celas, as condições de higiene praticamente não existem pois, apenas duas delas, que hoje conta com pelo menos 40 presos, têm o ”boi”, nome dado ao sanitário; para os outros “cômodos”, os detentos fazem as necessidades fisiológicas nas marmitas vazias e garrafas PETs e cabe ao policial, que deveria estar cumprindo suas atribuições de policia judiciária, o recolhimento e destinação dos dejetos.

Alguns detentos estão doentes e são erroneamente locados na sala de triagem; aidético, epilético, com problemas mentais, dentre outros com casos graves de saúde, compartilham o mesmo ambiente, colocando novamente em risco a vida dos policiais.

Foi cogitada a paliatividade de deslocar os presos para o 8º Distrito na tentativa de amenizar a super lotação, ou seja, transferir o problema para outro DP sem vias de solução por descaso do poder público e do sistema judiciário.

Percebe-se que as dificuldades só aumentam e a estrutura da delegacia em péssimas condições não permitem o policial trabalhar de forma segura. Se durante o dia a situação é complicada, a noite o quadro é ainda pior tendo o efetivo reduzido.

Sabemos todos que a manutenção desta quantidade de presos, sem estrutura adequada, coloca em risco a segurança e a saúde do policial civil, da delegacia e de todos os cidadãos.

Já foram feitos diversos Pedidos de Providências mas, tanto o governo como o judiciário, este último prometendo fazer verificação in-loco da situação do DP, não compareceu e assim, fazem “vistas-grossas” quanto a situação insustentável, tanto das delegacias como dos policiais civis.

Só uma ação efetiva e de coragem por parte de todos os policiais civis, direcionando a força para o sindicato, poderá mudar este quadro deplorável e cinza da Polícia Civil do Paraná.