FEIPOL-SUL

FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DOS TRABALHADORES POLICIAIS CIVIS DA REGIÃO SUL

previewA quarta-feira (10), foi de mobilização e protestos contra a reforma da Previdência em Brasília. Convocados pela UPB (União dos Policiais do Brasil), os Policiais Civis, Policiais Federais e Policiais Rodoviários Federais, ocuparam o Congresso Nacional para pressionar os deputados federais e demonstrar o seu descontentamento com a PEC 06/2019, cobrando que o Congresso dê à categoria o mesmo tratamento dispensado aos militares das Forças Armadas na Reforma da Previdência.

A manifestação surtiu efeito. A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), atendeu o grupo e se comprometeu a se reunir com os representantes da UPB, para ouvir as reivindicações da categoria. A deputado se dispôs a ser uma interlocutora dos policiais junto ao governo, para encaminhar a discussão da reforma da Previdência.

Manifestantes cobraram coerência do governo Bolsonaro

O protesto demonstrou uma grande insatisfação dos policiais, com a proposta apresentada pelo governo. No entendimento das entidades dos policiais, o governo demonstra uma grande incoerência, ao elencar a segurança pública como uma das suas prioridades de governo e, ao mesmo tempo, encaminhar um projeto de reforma da Previdência que não reconhece as especificidades da categoria. Os manifestantes também cobraram do governo um tratamento similar ao dado aos militares. As entidades argumentam que as justificativas dadas pelo governo, para o “tratamento diferenciado” dos militares, se aplicam também aos policiais civis e federais.

O diretor da UGEIRM, Pablo Mesquita, que estava presente em Brasília, informou que as entidades vão se reunir e definir as emendas das categorias que serão entregues à líder do governo, deputada Joice Hasselmann. “O objetivo é que os aditivos ao texto sejam levados pela líder do governo aos integrantes da Comissão Especial da Câmara — a última por onde a PEC vai passar antes de ir ao plenário da Casa”, ressalta Pablo Mesquita.

Policiais realizarão novos atos nos estados e em Brasília

Após o avanço que significou a atividade desta quarta-feira em Brasília, as entidades já estão preparando novos atos nos estados e em Brasília, durante a análise do projeto na Comissão Especial da reforma da Previdência. Aqui no Rio Grande do Sul, a UGEIRM se reunirá, no início da próxima semana, com as outras entidades representativas dos Policiais Federais e Policiais Rodoviários Federais, para traçar as estratégias para o próximo período.

A UGEIRM também lançará, na próxima semana, um material explicando as consequências da reforma para os Policiais Civis. No jornal, serão detalhadas as propostas do governo e os ataques à previdência dos Policiais Civis. A criação de uma contribuição extraordinária de 8%, que será descontada dos salários dos servidores e significará uma redução salarial , a desconstitucionalização da Previdência, que permitirá aos governos alterarem as regras de aposentadoria com simples Leis Complementares, e a mudança para o regime de capitalização, são alguns temas tratados no Jornal da UGEIRM Especial da Reforma da Previdência.