FEIPOL-SUL

FEDERAÇÃO INTERESTADUAL DOS TRABALHADORES POLICIAIS CIVIS DA REGIÃO SUL

Com grande cobertura da mídia, o presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Maia (DEM/RJ), esteve ontem em Porto Alegre para se reunir com os deputados gaúchos da base governista. Durante a sua visita, Rodrigo Maia, que é conhecido como Botafogo na lista de propinas da Odebrecht, defendeu de forma veemente a Reforma da Previdência.

Em seu discurso, Rodrigo Maia insistiu no velho argumento de que o grande problema da Previdência são os servidores públicos. O parlamentar do DEM carioca esquece de citar os grandes sonegadores e os valores não cobrados dos grandes devedores da Previdência. Como denuncia o relatório da CPI da Reforma da Previdência no Senado, “é importante destacar que a previdência social brasileira não é deficitária. Ela sofre com a conjunção de uma renitente má gestão por parte do governo, que, durante décadas: retirou dinheiro do sistema para utilização em projetos e interesses próprios e alheios ao escopo da previdência; protegeu empresas devedoras, aplicando uma série de programas de perdão de dívidas e mesmo ignorando a lei para que empresas devedoras continuassem a participar de programas de empréstimos e benefícios fiscais e creditícios; buscou a retirada de direitos dos trabalhadores vinculados à previdência unicamente na perspectiva de redução dos gastos públicos; entre outros”.

Mídia se une ao coro para retirar direitos dos trabalhadores

A visita de Rodrigo Maia recebeu grande cobertura da mídia gaúcha, particularmente do Grupo RBS. Em todas as suas matérias, os meios de comunicação fizeram questão de reforçar o discurso do governo Temer, jogando toda a responsabilidade pelos problemas da Previdência em cima do serviço público. O mesmo grupo empresarial, Grupo RBS, que está envolvido em uma denúncia de fraude de milhões de reais em sonegação de impostos, através da Operação Zelotes, acusa os servidores públicos de serem responsáveis pela crise financeira do RS.

Na verdade, por trás do discurso da ineficiência do Estado está a tomada dele pelos interesses privados. Um funcionalismo público profissional, bem pago e eficiente, é um obstáculo à utilização do Estado para satisfazer interesses privados. A mesma RBS, que acusa o serviço público pela crise do Estado, é beneficiada por gordas verbas de publicidade, para, em troca, defender as ações do governo. Em troca da compra de espaços publicitários nos seus veículos de comunicação, a RBS se tornou a porta voz oficial do governo Sartori/PMDB. Todas as “maldades” do governo Sartori/PMDB são, antes, publicadas nas páginas do Jornal Zero Hora, como o não pagamento do 13º Salário dos servidores. Depois de verificar a reação da população, o governo calibra o seu discurso e verifica a viabilidade, ou não, da implementação da sua política.

UGEIRM, SINPEF/RS e SINPRF/RS vão fazer campanha contra a Reforma da Previdência

Em reunião realizada na tarde desta segunda-feira (20), as diretorias da UGEIRM, do Sindicato dos Policiais Federais do RS e do Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais do RS, discutiram as ações conjuntas das três categorias contra a Reforma da Previdência. Na reunião, foram elencados os ataques que o governo Temer/PMDB está projetando contra os policiais e decidida várias ações para mobilizar as categorias e a população para pressionar os deputados pela rejeição da proposta do governo. Em breve, as entidades divulgarão as mobilizações programadas.